sexta-feira, 14 de maio de 2010

guardião

dormi imensamente, como desde ficar muito doente não fazia. eu costumava ficar muito doente uma vez por ano, nos últimos 5. quando era menor eram duas vezes por ano, talvez uma por semestre. mas então resolvi que não, virei uma pessoa forte como os dentes-de-leão que crescem no mato balançam com o vento, se assopram, ficam só o caule e desaparecem.

essa noite sonhei com estradas, caminhos, viagens. estava com um amigo que não vejo há muitos anos. quase não falávamos. havia um cachorro enorme, negro e babão que morava dentro do carro antigo de funeral que dirigiamos. a música era k7 e boa, cantávamos. era sempre sol que iluminava o asfalto ao ponto de brilhar também as mais amarelas das flores banais. era tudo um interior sem tamanho.

chegávamos numa cidade com casas todas brancas e nada acontecia. essa letargia do espaço era o maior prazer. ou como se a vida fosse pra sempre férias, verão, caminho e solução. prazer nas forças. acordei meio muda, como se as palavras se saltassem e eu ficasse olhando, feito botar sal na comida.



e depois fui no correio.

2 comentários:

Tata Marques disse...

Eu estava tentando lembrar o que que esses vocais me lembravam, e veio o susto; "gente, é 14 Bis!!!"
:)

júlia disse...

:) 14 bis? não lembro. qual?

 

Free Blog Counter