segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

gente fina, elegante e sincera

a palavra com a qual eu termino o ano é: abdicar.

desde que cheguei aqui Portugal me ensina, em muitos sentidos, a abdicar.
digo isso porque aprendi que há certos ritmos de silêncio entre as pessoas que criam vínculos entre elas. guardar a intimidade muitas vezes é criá-la. digo isso porque abdiquei de muita gente, muitas vezes. do amor. de ter. de gastar. viver com menos. digo isso pra mim mesma, não vou me explicar de novo que Portugal me ensina a abdicar. talvez até dele mesmo, o cabrão.


abdicar
n verbo
 regência múltipla
1    renunciar por vontade própria (a poder soberano ou autoridade suprema)
Ex.:
 transitivo direto, transitivo indireto e pronominal
2    renunciar ou desistir de; privar(-se)
Ex.:


nesta última semana o primeiro ministro daqui disse pros professores migrarem pr'outros países da nossa língua, nomeadamente, angola e brasil.

a manchete do principal jornal na manhã do dia 24 de dezembro deste ano que ainda corre era - quando eu abri a internet pra ver - 75% do subsídio desemprego será cortado no ano que vem.

a galera vai passar fome, já está. não tô de exagero. não.

abdicar.

não precisava ser assim, mundo. não precisava não.

3 comentários:

wanessa disse...

abdique do que lhe fizer mal, farei o mesmo.

Érico disse...

Trágico. Mas seriam bem-vindos esses mestres nossos patrícios do Reino, cá a língua anda mesmo a precisar de umas aulas práticas sobre pronomes oblíquos.

Maria Joana disse...

do abdicar para criar,
do ar para a ressonância,
seja do que fôr,
o rio encarrega-se de fazer correr,
sem mal nem bem,
só agua, ser água.
Língua Portuguesa?
Que sorte ser cantada tão longe.
Aqui perto também a cantamos!

 

Free Blog Counter