quarta-feira, 19 de abril de 2017

Não, não vá pensar na falta de propósito da vida esta noite
sua ambição seria delinear um abismo
pois modéstia você não encontra nem quando vai ao fundo
nem vá saltar as incertezas num punhado de fumo
a marejar os horizontes, os sentimentos e as calcinhas
e as meias trocadas de gaveta com elas
tudo um pouco mais bagunçado do que deveria
em nenhum canto desta casa há fogo
talvez encontre nos fósforos que você roubou dum restaurante
de peixe fresco e trouxe da Califórnia um sentido
talvez observar na faísca a dilatação da fenda
acendesse a capacidade de se iluminar
pelo sabor do vento que foi o primeiro toque
toque que a vida fez no seu rosto lembrança
quando seu corpo era só o luto
de alguém que em ti morreu
talvez este alguém vivificado pelo vento
talvez o acúmulo de nuvens da cor da cidade no céu dela
talvez você seja capaz de juntar um girassol a dura noite
tornar proibido que pessoas com menos de 25 anos possam alguma vez ser tristes
porque isto te faz sofrer
e no fundo é uma ambição ser simples
num gesto mágico
estou tão apaixonada pela densidade de cada coisa
que quero atravessá-las todas com os meus lábios
mas não quero que você traga nenhum peso para dentro
nisso
nem o cansaço nem o medo mas traga um pouco de rigor
a beleza das plantas carregando gestos de saúde
e o fato de que você não consegue mais ver ninguém
como um mestre
porque estamos todos perdidos mesmo
de nós dois, dos dias
talvez você possa acolher o instante
e tornar-se frágil
faz parte dessa sabedoria
assim como você aprendeu nos livros
a ouvir o que você sente
os órgãos também estão cheios de saúde
como os seus amigos que respiram todos os dias
todos os dias têm tantos gestos de saúde
que não acreditariam em você falando tanto
consigo mesma na segunda pessoa.
E tão multiplicadas as vezes no plural.

sábado, 1 de abril de 2017



fazia anos que eu não acordava e assistia um filme, um filme preferido. eu recorro a três filmes quando estou com um buraco no lugar de mim e um deles é o Fritzcarraldo. só neste momento percebi que os outros dois também têm nomes com encontros consonantais imprevistos. seria melhor que eu explicasse isso mais demoradamente?

um filme que me mostra quanta honra é possível ter no dramático, quanta coragem no impossível da afirmação. sou tão estupidamente otimista que, embora tenha que nadar de quando em quando nas marés do ódio e do ressentimento, que eu acabo convivendo com um tal treino das emoções como se me preparasse para uma olimpíada.


num primeiro momento é preciso conhecê-las, reconhecê-las, e depois disto tratá-las com uma firme mão de linho, uma pinça precisa bisturi nas mãos dum ninja, ah a navalha amaciada e morna do coração, que se acessa também com a respiração. pensamento é respiração, respiração é pensamento. mas a maior parte do tempo eu passo a reconhecê-las: "isto que passou como um raio me levantou até os céus e de quando em quando desaparece? euforia"; "essa substância oleosa que me contrai os músculos e chega a doer a cabeça que a controla? o ódio"; "o azul em que tudo está que varia do de fundo a suave nuvem? tristeza" & por aí vão os caminhos do reconhecer. escrever ajuda muito.

sou uma pessoa da música. a maior parte da minha pessoa encontra vida emocional na música. do mesmo modo que uma pintura me mostra como ver a paisagem, o que eu sinto me ensina a sentir. é preciso muito respeito para manejar uma emoção. as realidades esmagam, foi Eliot quem disse que o gênero humano não é capaz de suportar muita realidade e disse isso soltando um pássaro: go! go! disse o pássaro que não é de Eliot e nem mora neste poema e no entanto nele voa. o gesto mágico do que voa num poema.

eu mesma me enovelo muito me desaprendendo hábitos emocionais. eu digo pra eles: saltem, eles não saltam; eu digo pra eles: fiquem, eles saem correndo. treinar as mãos no desastre: este poderia ser um dos meus nomes, dizendo sempre adiante, por que não ultrapassar uma montanha com um barco em cima? pelo menos poderemos sorrir do absurdo tanto que nos reconheceremos nele e por inteiro.


 

Free Blog Counter